Radar Dezembro/2020

21/12/2020

Cenário Internacional

EUA

O PIB dos EUA teve crescimento a uma taxa anualizada de 33,1% no 3º trimestre, o melhor resultado da série histórica.
O número reflete a reabertura parcial das atividades após a paralisação causada pela pandemi.

UE

Na Zona do Euro, o PIB do 3º tri teve crescimento de 12,1% comparado ao
trimestre anterior, no dado dessazonalizado.
Resultado reflete a retirada de medidas de restrição, conjuntamente às medidas de suporte econômico.

Cenário Político

Bolsonaro: turbulência em sua maré positiva

A alta na popularidade do presidente da República oferta sinais de desgaste ao longo do processo eleitoral e do mês de novembro. Diversos fenômenos podem explicar a ocorrência, mas é fato que existem desafios significativos para o presidente contornar nos campos: político, social e econômico.

Conflitos marcam as políticas de saúde no Brasil. Guerra de declarações colocam em questão lógica da vacinação. Bolsonaro e João Dória Jr. Acentuam polêmicas. Ministro da saúde e vice-presidente entram em rota de colisão com Bolsonaro em temáticas associadas à saúde. Ademais, testes de Covid-19 se aproximam do vencimento em estoques federais, e presidente afirma que além de não se vacinar é contra aspectos associados à obrigatoriedade da ação. Por fim, em declaração recente, nega que tenha chamado o Covid-19 de “gripezinha”, termo utilizado em pronunciamento nacional em rede de rádio e televisão.

Partidos e governantes que se colocaram a favor de medidas de isolamento
exageram nas aglomerações ao longo das eleições. E medidas de reconhecimento à segunda onda da pandemia no Brasil são tomadas de forma eleitoreira apenas depois do segundo turno do pleito. Medida tende a igualar críticos de Bolsonaro ao próprio presidente.

Apagão no Amapá e crime de racismo no Rio Grande do Sul acendem sinal
amarelo para dificuldade de comunicação no Planalto. Lideranças nacionais minimizam ocorrência em Porto Alegre e presidente demora para prestar solidariedade no caso do Amapá, que ficou sem luz por dias, a ponto de as eleições de Macapá serem adiadas para dezembro.

PIB

Projeção para o PIB de 2020 é de uma retração de 4,5%. A queda considera os impactos do avanço do coronavírus e uma paralisação parcial que se estende durante o terceiro trimestre.

A Pesquisa Industrial Mensal de outubro registrou alta de 1,1% na margem, depois de registrar crescimento de 2,8% em agosto na mesma comparação.

Índice de Confiança do Consumidor (ICC) em novembro teve queda de
0,8%, em termos dessazonalizados. Na contramão, o Índice de Confiança da Indústria (ICI) cresceu 1,7%, situando–se em patamar superior ao pré crise. O resultado ainda deve ser visto com cautela, considerando as grandes incertezas que cercam o ambiente doméstico.

PIB REGIONAL

O resultado do PIB regional na média móvel trimestral dessazonalizada terminada em set/2020, trouxe resultados positivos para 27 unidades federativas, assim evidenciando o processo gradual de recomposição econômica.

Pela ponta mais positiva, S (11,6%)e N (10,5%) foram os destaque.

O setor de Serviços foi o principal vetor que conduziu o resultado de
todas as regiões.

A região N (1,1%) é o destaque positivo. Os Serviços (1,4%) e a Indústria (1,1%) são os principais expoentes desse resultado.

No crescimento acumulado em 12 meses até set/2020, 5 UFs apresentaram resultado positivo.

MERCADO DE TRABALHO

Segundo a PNAD contínua , do IBGE, a taxa de desocupação (14,6%) no trimestre móvel encerrado em setembro de 2020 foi a mais alta da série histórica iniciada em 2012, crescendo 1,3 p.p . na comparação com o trimestre encerrado em junho.

Em termos dessazonalizados, a taxa ficou em 14,8%, em alta comparado a agosto (14,6%).

O resultado do Caged de outubro acusou criação líquida de 395,0 mil vagas(367,6 mil vagas na série dessazonalizada). O número representa uma
aceleração em relação ao resultado de setembro, quando houve criação líquida de 311,6 mil vagas (265,9 mil vagas na série dessazonalizada).

INFLAÇÃO

O IPCA de novembro trouxe inflação de 0,89%.

No acumulado em 12 meses, a inflação é de 4,31%.

O grupo que exerceu maior pressão positiva sobre o índice foi Alimentação e Bebidas (2,54%), com impacto de 0,53 pontos percentuais.

O IGP-M de novembro registrou alta de 3,28%, ante 3,23% no mês anterior.

O principal condicionante do resultado foi a variação do IPAM, componente de maior peso, que saiu de 4,15% em outubro para 4,26% neste mês.

POLÍTICA MONETÁRIA

Na reunião de dezembro, o Copom manteve a Selic em 2,00%.

De maneira complementar às últimas comunicações do Banco Central, o Comunicado enfatiza a instabilidade no cenário externo devido à ressurgência da pandemia em algumas das principais economias. No entanto, os resultados promissores nos testes das vacinas contra a Covid-19 tendem a trazer melhora da confiança e normalização da atividade no médio prazo.

Por fim, o Copom avalia que, desde a adoção do forward guidance, observou -se uma reversão da tendência de queda das expectativas de inflação em relação às metas para o horizonte relevante. Isso sugere que, em breve, as condições para sua manutenção possam não ser mais satisfeitas.

POLÍTICA FISCAL

A arrecadação tributária e previdenciária de outubro trouxe alta surpreendente na comparação com o mesmo mês do ano passado, possivelmente refletindo parte do represamento de arrecadação dos meses anteriores.

O resultado primário do Governo Central em outubro foi negativo em R$ 3,6 bilhões, já indicando uma menor deterioração em função da pandemia.

O resultado do setor público consolidado, da mesma forma, foi pouco pior que o de outubro/19, apontando para um déficit acumulado em 12 meses, como proporção do PIB, de 9,1%, ante 1,2% no acumulado até outubro de 2019.

Decreto de calamidade suspende temporariamente o cumprimento da meta fiscal para o ano e flexibiliza também o Teto dos Gastos. O risco, no entanto, é que parte do aumento das despesas tenha caráter permanente.

TAXA DE CÂMBIO

Dólar se apreciou globalmente, de início, por força de movimento de aversão a risco, algo que esteve relacionado, inicialmente, às incertezas acerca dos efeitos da pandemia de coronavírus sobre a atividade econômica global, em movimento de flight-to-quality.

Continuamos a enxergar dificuldades em aprovar novas reformas, em especial a tributária, algo que certamente limita o potencial de recuperação do real.

No curto prazo, o Banco Central continua atuando no combate à volatilidade, tanto no mercado futuro quanto no spot, o que é bastante razoável diante dos custos associados a não-intervenção e do grande volume de reservas que o BC tem disponível para tal.

Fonte: 4E

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *